Malz ai galera, demorei pacas pra postar. Já falo, culpa do Yuri que não me lembrou de postar, ele sabe que eu esqueço das coisas rapido e facil. Ah, não sei se posto agora tão cedo mesmo. Vou viajar, ou seja, se eu já não lembro aqui com internet, imagina viajando ;). Então, é so isso, valeu, fiquem com o cap.

Posted on 23:23 by Marcos Valença

1 comentário

Olá de novo galero ;) Este, como eu disse, é o último capítulo de 2011, e o capítulo 6 só será postado dia 13/01. Mas, quem quiser voltar aqui dia 10/01, meu aniversário, vai poder ler trechos de ECOS, o livro que eu estou escrevendo e será lançado em meados de 2012. Quem ainda não leu os primeiros trechos, é só clicar aqui. Bem, fiquem aí com o capítulo 5 ;)

Posted on 18:18 by Yuri Costa

2 comentários

Olá galera ;) Então, como eu disse semana passada, o capítulo 5 (o de semana que vem) será o último de 2011, e o capítulo 6 será postado somente dia 13/01. Mas, no dia 10/01 (meu aniversário rere), vocês podem passar aqui para mais trechos de ECOS, o livro que eu lançarei ano que vem nas livrarias (se você ainda não leu os primeiros trechos, clique aqui). Bem, enquanto isso, curtam o capítulo 4 de O REINO DOS CORAÇÕES!

Posted on 16:09 by Yuri Costa

2 comentários

Olá galera ;) Este é o capítulo 3 de O Reino dos Corações (dã), e eu deixo com vocês também um comunicado: O capítulo 5, que será postado no dia 16/12, será o último do ano. Depois disso, o capítulo 6 só será postado em janeiro. A data de postagem do capítulo 6 ainda está sendo decidida. Enquanto isso, curtam o capítulo 3 ;)

Posted on 19:08 by Yuri Costa

2 comentários

Olá galera ;) Quem aí curtiu o primeiro capítulo de O REINO DOS CORAÇÕES? Bem, eu espero que ovcês gostem do segundo tanto quanto do primeiro. E obrigado a vocês que têm me mandado mentions no twitter elogiando a história, é tudo muito importante para espantar o "bloqueio de escritor".

Posted on 17:11 by Yuri Costa

2 comentários

Olá galera :) Bem, este é o capítulo 1 de O Reino dos Corações. Quem ainda não entrou na comunidade no orkut, ou no grupo do facebook, pode entrar por aqui: http://www.facebook.com/groups/272109969497650/ e  http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=119372991 Enfim, espero que gostem :)


PRÓLOGO

            O ano era 1940, e a Inglaterra fora novamente bombardeada pelo inimigo. Uma jovem mulher caminhava pela rua em pedaços. Ah, era um dia terrível, aquele. Uma pequena cidadezinha inteira acabara de ser destruída! Ela adoraria ver como os políticos explicariam aquilo. O programa das 6h do dia seguinte com certeza seria dedicado a um discurso, ah, como o senhor vai fazer para levantar a moral deste país, hein?

Posted on 17:10 by Yuri Costa

13 comentários


Capitulo 18

Let’s talk

Yuri estava sentado em seu quarto. Pegava o celular toda hora para ver a hora, ou pelo menos queria pensar nisso. De alguma forma seu celular sempre parava na agenda em cima do contato que mais queria falar. Mariane.
Não aguentava rolar mais na cama, quando finalmente pegou o celular decidido a ligar. Começou a discar quando ouviu um barulho, por instinto pulou para o lado e pegou a faca que tinha embaixo da sua cama. Não pensou duas vezes e arremessou.

Posted on 20:01 by Marcos Valença

Sem comentários

Olá novamente ;) Bem, esse é o último capítulo de HURRICANE. Foi bom ter vocês, ECHELON, aqui conosco e vocês, novos leitores, também. Como eu disse, AMANHÃ, sábado, haverá uma postagem sobre a próxima história a ser postada no blog, então espero vê-los aqui novamente. Bem, deixando isso de lado, espero que curtam o final de HURRICANE! :)


H U R R I C A N E

Posted on 16:13 by Yuri Costa

Sem comentários

Malz ai galera, nem consegui fazer o 18 de profanis ai. No ideias. Fiz esse conto. Sugiro que baixem as três musicas que estão nesse conto. Mas enfim. Tá aqui. Ah, só mais uma coisa. Se você tem frescura com cenas pesadas, melhor nem ler. Valeu galera, até. Tentatei estar com profanis semana que vem. E bom Halloween pra vocês.


End of the world

Armor for sleep

Estava sentado em sua cama. Não havia nenhum barulho, muito mal podia se ouvir o velho vinil ao fundo, só o havia colocado ali porque gosta de seus vinis de blues. Passou a mão ao rosto, era apenas mais um dia tedioso. Ao menos foi o que pensou. Mal sabia que ia ser um dos dias mais estranhos de toda sua vida. Se ao menos sobrevivesse a tudo que estava por acontecer.


Posted on 23:13 by Marcos Valença

Sem comentários

Olá galero ;) Este é o capítulo dois ~o penúltimo capítulo~ de HURRICANE, e espero que gostem ;) Nem preciso dizer que, se quiserem, podem entrar na comunidade no orkut http://www.orkut.com.br/Community?cmm=118851983 ou no grupo no facebook http://www.facebook.com/groups/135341926565280/ E lembrando que, assim que for postado o último capítulo de HURRICANE, será postado também o link para a comunidade e o grupo de "I Brought You My Bullets, You Brought Me Your Love", conto de 10 capítulos baseado no primeiro cd da banda My Chemical Romance, banda que eu tenho certeza que muitos de vocês, Echelon, curtem ;) E também será postado alguns trechinhos de ECOS, o livro que estou escrevendo e que será lançado ano que vem. Mas bem, espero que por enquanto gostem deste novo capítulo de HURRICANE :)))


H U R R I C A N E

Posted on 21:39 by Yuri Costa

Sem comentários

Olá galero ;) Aqui segue o prólogo e primeiro capítulo de HURRICANE, o conto de três capítulos que será postado nas próximas semanas. Como eu já disse, é baseado no curta metragem de mesmo nome da banda 30 Seconds to Mars. Se quiserem, podem também participar da comunidade do orkut clicando aqui ou do grupo do facebook clicando aqui. Bem, espero que gostem ;)


H U R R I C A N E

Posted on 18:42 by Yuri Costa

3 comentários

Capitulo 17
Descobertas
-Você por acaso pode me falar o que acabou de acontecer aqui? – Pergunta Yuri nervoso com aquilo tudo.

Posted on 22:15 by Marcos Valença

3 comentários


Capitulo 16
Meet your new target
Yuri estava sentado na beira de um prédio, olhando o céu, e tendo que ouvir todo o inferno de barulho de buzinas de carros, além de motos e músicas que preferia não ouvir. Mas tirando tudo aquilo, era bom estar ali. Bom, pelo menos estava até Felipe aparecer e jogar uma mochila do lado dele. Então Yuri olhou de volta e perguntou:
-Pra que isso?
-Vamos ver se você já está preparado pra combate. Ouvi rumores de alguém que sabe sobre tudo e está fazendo uma bagunça.

Posted on 19:55 by Marcos Valença

1 comentário

Bem, esta vai ser uma looooonga lista.

Posted on 17:06 by Yuri Costa

3 comentários

Lembrem-se que amanhã tem os agradecimentos e o comunicado sobre a próxima história do blog! Espero que curtam o fim de SILENCIAR!


EPÍLOGO

Sinto Sua Falta

I Miss You - Blink-182

2016

            Cinco anos haviam se passado desde aquele dia.

Posted on 18:20 by Yuri Costa

9 comentários

Pois bem, galero, este é o último capítulo de SILENCIAR, lembrando que amanhã será postado o epílogo e domingo serão postados os agradecimentos. Espero que gostem deste final ;)


63

Como Salvar Uma Vida

How To Save A Life - The Fray

            E aqui estamos nós, de volta ao inicio de tudo.
            Era dia doze - ironicamente, de todos os dozes possíveis, aquele era o dia dos namorados. Yago não queria levantar do sofá. A televisão estava ligada, mas ele não prestava atenção. Se o telefone tocasse, ignoraria. Não estava no humor para falar com ninguém. E, além do mais, poderia ser ela. Ela, que quebrou seu coração. Na verdade, pensou, ambos quebraram o coração um do outro.
            Ela. Nathalia.
            Ela. Que o amava mais que tudo no mundo.
            Ela. Inalcançável.

Posted on 16:44 by Yuri Costa

3 comentários

Pois é, galera, este é o penultimo capitulo de SILENCIAR: o ultimo virá semana que vem e no sabado, 07/10, será postado o epílogo, enquanto no domingo 08/10 será postado o comunicado sobre a próxima história a ser postada. Enquanto isso, espero que curtam ;)


62

Medo

Fear - OneRepublic

            - Então já está tudo preparado? - perguntou Nathalia.
            - Sim, terminamos de empacotar tudo ontem - disse Suzana, ao telefone.
            - Me desculpe por fazer vocês esperarem tanto, é só...
            - Ah, que nada, que amiga desnaturada eu seria se te deixasse aqui sozinha. E além do mais, como eu iria aguentar praia, shopping e cama sabendo que o namorado da minha melhor amiga, que por acaso é o mesmo garoto que eu conheço há três anos, está de cama após uma terrível luta contra as forças do mal?
            Nathalia riu, principalmente da ênfase em “cama”. Era só o que Suzana falava: a Lua De Mel que se aproximava. E todos sabiam no que isso implicava, mas ela parecia gostar de lembrar de vez em quando.
            E, também, queria se concentrar em qualquer palavra que não fosse “namorado”.

Posted on 15:44 by Yuri Costa

1 comentário

61

vienna

The Fray

            - Você consegue ficar de pé? - perguntou Nathalia.
            - Eu fui esfaqueado na barriga, querida, não nas pernas - Yago respondeu, com um sorriso no rosto para quebrar a amargura das palavras.
            Levantou-se então, e, apesar do que tinha dito, não pôde deixar de escapar um gemido. Seu rosto contorceu-se um pouco; apesar de ter feito aquilo diversas vezes já há dias, ainda não havia se acostumado completamente àquele ato. Passara três meses em coma e mais um tanto em recuperação, antes de começar a fisioterapia. Agora, podia andar, mas com esforço: o tratamento não acabaria tão cedo.

Posted on 19:49 by Yuri Costa

2 comentários


Capitulo 15
The cave
Felipe estava chegando ao parque que havia combinado de se encontrar com Yuri. Já era de madrugada, de modo que saísse escondido de seus pais. Yuri ainda não havia chegado. Felipe se sentou em um banco que havia lá, que alias, já estava aos pedaços. Ficou lá sentado por alguns minutos, e nada. Então decidiu pegar seu celular, quando começou a discar viu Yuri vindo ao fundo, andando, indiferente a ventania, frio e assustado ao mesmo tempo. Chegando lá se sentou ao lado de Felipe, e nada disse. Então Felipe disse:

Posted on 21:53 by Marcos Valença

1 comentário

60

Toda Vez Que Você Vai Embora

Every Time You Go - 3 Doors Down

            Tentava abrir os olhos, mas era difícil; o máximo que podia fazer era gemer de dor. De repente, havia uma sensação quente, ao mesmo tempo que gélida, se espalhando por sua barriga, subindo até seu peito - algo inexplicavelmente desconfortável. Aos poucos, sentia que podia mexer seus dedos - com grande esforço, fê-los tremer de leve, e já estava cansado demais para qualquer outra coisa. Queria poder voltar a dormir, sonhar com algo novo...

Posted on 16:40 by Yuri Costa

3 comentários


Capitulo 14
…Happened
Mariane e Yuri não conseguiam prestar atenção na aula, não haviam processado tudo aquilo. Ao contrario de Felipe a Laila que prestaram atenção na aula toda. Ficaram parados até o intervalo bater, então desceram. Não ficaram juntos, apenas observaram Felipe e Laila conversando o tempo todo. Ficavam se perguntando o que havia acontecido ou se Felipe sabia que ela ainda não havia... Bem, se sabia o que tinha acontecido.

Posted on 19:35 by Marcos Valença

1 comentário

59

Morto!

Dead! - My Chemical Romance

            Dor.
            Via nada além de uma imensa escuridão... Silêncio, o mais completo silêncio dominava aquele lugar. Sua cabeça girava, e havia uma sensação estranha em seus pés... como se não tocassem o chão... E aquele toque gélido, em todas as partes de seu corpo...
            E é claro, a dor que lentamente se espalhava de seu peito para seus dedos.

Posted on 15:44 by Yuri Costa

2 comentários

Oi galero ;) Então, cá estamos com #SILENCIAR novamente, dessa vez na reta final. Caso ainda não tenham visto o cronograma nem o anunciamento do próximo livro, clique aqui. Enfim, espero que gostem muito desse inicio do fim ;)


58

Avenida Dos Sonhos Quebrados

Boulevard Of Broken Dreams - Green Day

            Nathalia gritou.
            Gustavo ria-se, como se todas suas dores tivessem tornado-se míseras cócegas, e largou o punhal da faca. Yago escorregou, caindo para trás com a faca ainda cravada em sua barriga, o fluxo de sangue imediatamente manchando sua camisa; porém, sabia que a hemorragia seria ainda pior se arrancasse dali, pois não haveria nada para estancar, mesmo que toscamente, o sangue que jorrava.

Posted on 18:39 by Yuri Costa

5 comentários


Capitulo 13
What was supposed to happen...
O relógio batia exatamente às 6 horas da manhã. Mariane se virou de lado e ficou encarando o despertador. Era segunda-feira, tinha que ir pra escola. Não sentia a mínima vontade de levantar, aliás, desde o “incidente” com Laila, não tinha vontade de fazer nada. Ficou apenas se virando para lá e para cá na sua cama e como havia virado de costume, chorou. Chorava todo dia. Não conseguia tirar a imagem de Laila de sua cabeça. Não conseguia esquecer aqueles olhos completamente negros. Culpava-se por tudo aquilo, tudo mesmo.

Posted on 20:37 by Marcos Valença

2 comentários


Capitulo 12
Just a talk
E ai, mudou a dupla?
-Não, agora eu trabalho em trio. Deixe-me te apresentar, esse é o Daniel.
-E o Sergio?
-Tá lá fora, observando aquele corpo que está lá.
Felipe arregalou os olhos, sabia que era o corpo de Yuri, e sabia que ele não estava pronto pra lutar contra Sergio. Seria suicídio. Seu pensamento foi cortado quando Daniel disse:

Posted on 19:32 by Marcos Valença

Sem comentários


Capitulo 11
Things that happen
Laila estava se contorcendo quando Mariane chegou com um pedaço de carvão que encontrou jogado. Felipe pegou o carvão e foi andando em direção a Laila, quando estava perto ela se contorceu e o jogou para fora do quarto onde estava.
Laila estava em um estado sem igual, deplorável. Seus olhos estavam completamente negros e com sangue escorrendo de tais, assim como escorria de sua boca, nariz e ouvidos. Sua pele estava perdendo a cor a aparentava derreter pouco a pouco. Tudo isso misturado com o fato que ela se debatia hora ou outra, e ia aumentando a frequência desse ocorrido.
Mariane olhou para Felipe e disse:

Posted on 22:01 by Marcos Valença

1 comentário

Olá galera ;) Pois bem, aqui estamos com o último capítulo dessa fase de SILENCIAR. O próximo capítulo será postado no dia 02/09, e com ele se iniciará a fase final de SILENCIAR, como 6 capítulos e um epílogo. Mas bem, por enquanto curtam esse aqui, que é o maior da série, e esperem pelo 58 ;)


57

PARTE UM

Me Salve

Save Me - Avenged Sevenfold

            Nathalia acordou com um estampido. Viu-se novamente numa sala escura, e na demorou para suas memórias voltarem, assustadoras. Se pudesse, teria gritado, mas o ar parecia preso em seu pulmão. Tinha extrema dificuldade em respirar, em parte pelo medo, em parte pela dor que sentia da barriga até a garganta. E sua cabeça, claro - parecia prestes a explodir. Antes que pudesse notar, havia sangue tampando-lhe a visão; se estava desacordada a tanto tempo, deveria ter feito algo para reabrir o corte...

Posted on 17:29 by Yuri Costa

7 comentários


Capitulo 10
Scream
Laila e Mariana estavam abaixadas e abraçadas e chorando. Felipe estava na sacada olhando o céu. Não sabia quando Yuri iria acordar, então esperaria ali, tinha certeza que saberia quando ele iria acordar. Só ouvia ambas as meninas chorando uma com a outra. No meio aviam algumas discussões sobre o que Mariana havia feito, mas eram rapidamente apaziguadas.
Depois de uns vinte minutos de choro haviam parado, Felipe foi seguindo em direção e elas e puxou um papel do bolso e jogou na mão de Mariane, então disse:
-Leiam e ajam normalmente. É melhor o Yuri não saber, não agora. E Mariane, precisarei de você lá em baixo, daqui a pouco.
-Pode deixar, eu vou descer.
Mariane deixou o papel no chão e o ficou encarando por cerca de um eterno único minuto. Esticou seu braço e pegou o papel, não queria, mas tinha que ler o que estava escrito.

Posted on 19:13 by Marcos Valença

Sem comentários

Oi galero ;) Não sei se vocês leram o comunicado sobre SILENCIAR, mas se não, aqui está: http://historiasebesteiras.blogspot.com/2011/08/comunicado-o-fim-de-silenciar-e-o.html Lembrando que aqui também tem a sinopse do livro que eu estou escrevendo, "Ecos", e que sairá ano que vem nas livrarias, espero. Bem, aqui está o capítulo que vocês esperaram:


56

Afundando

Going Under - Evanescence

            Yago acordou cedo naquela manhã seguinte - ou fingiu fazê-lo, pois não dormira nada. Nem sua mãe nem seu irmão ousaram sequer por a cabeça para dentro do quarto; já havia dito que não queria ser incomodado. De qualquer forma, quando olhou para o relógio, viu que ainda eram sete da manhã. Se tivesse escola, estaria atrasado. Se tivesse provas, estaria no horário certo, pois as avaliações eram aplicadas somente às oito horas. Mas ambas haviam acabado na semana anterior, e os resultados sairiam somente depois do Natal. E, mesmo se não houvessem, Yago não se levantaria da cama - para nada.

Posted on 18:06 by Yuri Costa

3 comentários

Oi galera ;) Como prometido, aqui está o comunicado. É um tanto longo e com bastante informação, então peço paciência para quem lê, e guardem suas dúvidas para o final RSSSSSSSSS

Vamos começar então com o comunicado sobre SILENCIAR.

Posted on 17:50 by Yuri Costa

3 comentários

Oi galera ;) Mil desculpas por não ter conseguido postar este capítulo na semana passada, mas aqui está ele. Além disso, tenho um comunicado para fazer, e esse comunicado será postado na segunda-feira às 18h. É importante que todos vocês leiam, pois envolve o fim de SILENCIAR, bem como falará do novo livro que estou escrevendo: tanto título quanto sinopse serão revelados. Como veêm, é algo importantíssimo.
Mas, deixando isso de lado, aqui está o capítulo 55 de SILENCIAR. Espero que curtam, e espero vocês novamente segunda-feira ;)



55

Uma Bela Mentira

A Beautiful Lie - 30 Seconds To Mars

            Naturalmente, a festa fora cancelada, e Felipe e Suzana deram meia volta assim que receberam a notícia de Yago. A mãe de Suzana comprometeu-se em tomar conta dos convidados - não havia por que eles não se divertirem, e era bem possível que reivindicassem comida, afinal, Suzana conhecia seus convidados.

Posted on 16:36 by Yuri Costa

3 comentários

54

Quebrado

The Broken - Coheed And Cambria

            Passadas duas horas, Nathalia continuava encolhida no mesmo canto. Tremia - não só de medo, mas de frio também. Entrava friagem não sabia da onde; talvez do piso, feito de tabuas de madeira já envelhecidas úmidas e podres, que poderiam ceder a qualquer momento, ou das paredes, que por acaso eram feitas do mesmo material. Fosse o que fosse, aquelas paredes exalavam um cheiro de mofo; não só isso, como um cheiro mais forte... de animais mortos, e de urina. Como um real cativeiro.

Posted on 20:15 by Yuri Costa

2 comentários


Capitulo 9
Secrets
Yuri corria desesperadamente por uma floresta completamente desconhecida a seu ver. Não sabia o porquê, mas sabia que tinha que correr, e muito. Estava com a sensação que tinha algo indo atrás dele. Correu, e muito. Até que encontrou uma árvore oca. Entrou nela e se encolheu na tentativa de ficar o máximo invisível.
Começou a ouvir rugidos. Eram altos, muito altos. Parecia um animal. Um urso? Talvez, não queria parar para descobrir. Viu uma sombra aparecer perto da árvore. Começou a ofegar mais e mais, o que era ruim, pois pelo que se lembrava, animais tinham ótima audição. A sombra parou e começou a se aproximar mais do local onde estava. Podia ouvir cada passo, cada respiração do animal. Tudo parou. O animal, a respiração ofegante, simplesmente, tudo tinha passado. Então ouviu:

Posted on 18:04 by Marcos Valença

1 comentário

53

Case Comigo

Marry Me - Train



DEZEMBRO
            O grande dia havia chegado.
            Suzana brigava e gritava com Alex, na confusão que havia a sala à parte da igreja. Aparentemente, Alex havia comprado as flores-de-emergência erradas para Suzana: ela pedira rosas brancas, e no entanto ela trouxera uma outra flor vagabunda (porém branca). E não só isso: tivera a ousadia de pisar - sem querer - na cauda do vestido da noiva - que na opinião de Suzana, já era pequena demais limpa -, deixando uma bela marca preta na forma de um salto alto.

Posted on 17:05 by Yuri Costa

6 comentários


Capitulo 8
Hunters

-Esse trabalho é um saco.
-Pois é, passamos pela melhor escola pra isso, e só estamos nos fantasmas.
-Culpa daqueles filhinhos, só porque tem os pais conhecidos e poderosos.
-Acabamos?
-E eu acho que... – fez uma pausa e se concentrou – Sim, acabamos. Ah não...
-O que? Mais um trabalho?
-Positivo. É em um lugar chamado Costa Valença. Fim do mundo, depois de Cabo Frio.
-Bom, tem praia pra lá. Dá pra dar uma aproveitada.
-Não, Costa Valença não tem praia. Tem uma advertência aqui. Essa tá classificada como não perigosa. Mas tem rumores de uma rebelde lá, talvez seja uma perigosa.
-Certeza? Geralmente não mandam agente pra essas.
-É um teste. A Organização quer que provemos se estamos aptos, além de ser uma missão, lá vamos ver se pegamos a dica pra mais dois. E esses dois tão classificados como proteção divina.
-Porque eles não mandam agente pra uma normal? Onde agente só é avaliado e depois vamos pra casa até receber outra? Se contar, vão ser três missões seguidas sem descanso. Essa, à de Costa Valença e a outra. E essa outra... Se tiver divindade e tão mandando pra nos dois, é porque é uma de reconhecimento. Não esperam que iremos resolvê-la.
-Talvez. Vamos Sérgio.
-Algo errado, agente não vai sair vivo. Já tô avisando. Tem certeza, Caio?
-Não, mas se recusarmos agente vai acabar morto de qualquer jeito.
Sérgio bufou, sabia que Caio estava certo. Qualquer um que recusasse alguma missão da Organização acabava morto. O melhor a fazer era seguir em frente e aceitar a missão que traria a morte deles. Ironicamente, talvez fosse à única chance de eles sobreviverem. Entraram no carro. Se fossem pegos em alguma blitz simplesmente se safariam dela. Era uma especialidade. Sérgio tinha 17 anos e Igor 16. Chegaram a um hotel de beira de estrada. Havia começado a chover, iam passar a noite. Perguntaram se tinham um quarto vago e se havia internet sem fio, a atendente olhou e disse:
-Temos só um quarto pra solteiro e estamos sem internet. À única que temos é a do servidor. Devido à chuva, a sem fio está com problemas. Desculpe o transtorno.
Sérgio põe a mão sobre a da moça e diz olhando nos olhos dela:

Posted on 19:42 by Marcos Valença

4 comentários

52

enough for now

The Fray

            Tudo começou naquela manhã. Yago a levantara e a vestira. Dera-lhe banho e fizera seu café. Nathalia comera, claro, mas sem vontade. Fazia e repetia apenas o mesmo movimento: colher, boca, prato. Sabia que devia comer. Pelo seu próprio bem, deveria alimentar-se, tomar banho todos os dias, estudar... Mas queria mesmo seu próprio bem? Ou estava absorta demais naquela tristeza infindável?
            O mais provável, claro, era a segunda opção.

Posted on 18:14 by Yuri Costa

4 comentários

Pois é galera, só falto uma postagem minha, um one-shot. Não só postei o one-shot como também estou fazendo uma homenagem ao melhor cantor e compositor de todos os tempos, e junto com ele o seu grupo. Não falo nada mais, nada menos, que o melhor e mais queridos (pelo menos por mim) LEGIÃO URBANA.

Dado Viciado
Legião Urbana
-Olha só para você Dado. Está péssimo, fica se drogando. Não tem jeito, você vai acabar se matando assim. Tem mais noção nas coisas não? Você não tem heroína, então usa Algafan. Tem noção do que isso pode fazer? Isso...
-Para de encher o saco, velha. Fica me enchendo o saco. Cruz credo, para com isso. Ô neura desgraçada. Eu sei do perigo. Porra. Mas eu quero usar, eu gosto de usar. Foda-se se eu vou morrer ou não. Só quero usar!
-Então usa só você, não leve os outros. Você viciou os seus primos, talvez sua irmã. Colocar anfetamina na comida? Isso podia mata-los. E quer saber? Vai usar bem longe daqui aqui não tem Village, Rua 42. Some pra bem longe daqui, eu te amo muito filho. Mas assim, não rola. Cai fora, quando melhorar, volta.

Posted on 21:51 by Marcos Valença

Sem comentários

Hey galero ;) Bem, aqui está a continuação de O Fantasma De Você. Encarem isso como uma mini-série ou sei lá, mas bem, espero que gostem.


A VIDA DE TRAGÉDIAS IRÁ TE MATAR

                Bianca não acreditava em Deus. Para ela, uma Grande Presença Divina era das mais puras bobagens: sempre cética, preferia acreditar nos livros que levava embaixo dos braços do que num velho ditando trechos da Bíblia, sem base em nenhum conhecimento cientifico e muitas vezes incoerente. Pelos primeiros dezessete anos de sua vida, aceitou esse fato sem problemas; mas não agora.

Posted on 20:42 by Yuri Costa

1 comentário


Capitulo 7
Wonderland
“Você realmente quer saber sobre tudo? Como fazer tais coisas e muito mais? Se sim, vá até o final do bairro. Existe um monumento lá. Partindo dele ande para o nordeste norte até sumir até desaparecer de vista. Já é seu primeiro passo, consiga me achar por lá e eu começo a te ajudar ensinar. Só tem até amanhã para decidir, ou nunca mais terá a chance, estarei no local de 14 até às 17 horas, nem 1 minuto a mais, nem 1 minuto a menos. Só até àquela hora.
Ass: Você sabe de quem”

Posted on 21:14 by Marcos Valença

5 comentários

Oi galero, ok, eu esqueci de postar ontem. Era pra hoje ser aquele dia de folga, sem contos, sabe, mas acho que não seria justo ficar dois dias sem postar por minha culpa. Enfim, esse será o post de hoje/ontem, amanhã tem Profanis e terça tem a continuação desse conto xD

O FANTASMA DE VOCÊ

Hoje, eu tive muitas dúvidas e poucas respostas, enquanto meu corpo jazia inerte - por um fio, vivo -, respirando apenas pela questão da física. Como pode o sangue ser tão cruel de continuar a correr em nossas veias, e o cérebro tão racional de continuar funcionando, quando tudo o que quero é simplesmente... silêncio? Morte, para os leigos. Pois já estou cansada de saber que a vida não para quando o corpo deixa de funcionar, mas sim quando a mente o faz - alguns tem a sorte de que ambos aconteçam simultaneamente, mas eu não. E estou travada nessa semi-vida, entre a escuridão dos humanos e a luz dos mortos, já há incontáveis tempos.

Posted on 10:53 by Yuri Costa

Sem comentários

E então galero, aqui está o capítulo 51 de SILENCIAR. Como prometido, nos próximos dias serão postados um conto diariamente, com exceção de segunda que tem Profanis. Quem ainda não viu o primeiro conto, é só clicar aqui. Anyway, fiquem aí com o 51 ;)


51

Ode À Minha Família

Ode To My Family - The Cranberries

- INICIO -
NOME DA PACIENTE: Nathalia Carolina Rodrigues
DATA DE NASCIMENTO: 02/11/1994
PARENTESCO: Mãe falecida e pai ausente
DATA DE CONSULTA: 08/11/2010, 16h
CASO: -
OBS.: Primeira consulta. Pagamento pelo INSS.

Dr. Angélica Costa

Posted on 16:34 by Yuri Costa

4 comentários

AEEEEEEEEEEEE GALERO, hoje, dia 23 de junho de 2011, completamos um ano de H&B. Um ano desde que decidimos postar SILENCIAR, besteiras e tantas outras coisas... Um ano que vocês tem acompanhado de perto ;)

Bem, não sou lá muito bom com discursos (quem leu o inicio desse texto percebe), então vou logo para a parte boa: nessa semana, será postado diariamente pelo menos um texto. Amanhã será postado SILENCIAR e segunda será postado Profanis, como sempre, porém, hoje, sábado, domingo, terça e quarta serão postados pelo menos um textinho, um one-shot, que, quem sabe, no futuro, possa ter continuação xD

Então, sem mais delongas, aqui está, o primeiro texto. PARABÉNS, H&B, E OBRIGADO A TODOS QUE TEM NOS ACOMPANHADO ATÉ AQUI! E FIQUEM LIGADOS (isso foi horrível) POR QUE LOGO MAIS FAREI UM GRANDE ANUNCIAMENTO SOBRE O FUTURO DE SILENCIAR!

Posted on 19:14 by Yuri Costa

Sem comentários

Capitulo 6
O dia seguinte


Já havia se passado uma semana desde que o acidente aconteceu. Para evitar perguntas Felipe havia apagado a memoria das meninas, só deixara a de Yuri. Queria que ele se lembrasse. Passou quase que toda a semana sem dormir pensando no que o antigo treinador havia falado para ele. Toda a verdade? Toda a verdade para o homem? Ou simplesmente havia mentido? Não sabia, mas uma coisa era certa, aquilo lhe causava uma duvida desgraçada.
Já era segunda. Chegou à escola com a mesma cara de sempre, havia pouco movimento no primeiro andar, aquilo o incomodou, lá nunca ficava vazio. Foi subindo, e conforme foi chegando a sua sala o movimento ia crescendo. Olhou para a sua sala, a mais do canto, estava lotada de pessoas. Não gostava daquilo, odiava lugares cheios, ainda mais na escola. Ainda não havia avistado Yuri nem as meninas.
Parou na porta de sua sala, sentiu uma sensação estranha. Estranha, porém conhecida. Abriu um sorriso falso. Olhou para sua sala e fechou a mão. As pessoas que estavam à frente começaram a sair de sua frente. Uma pessoa lá de dentro olhou para ele e sorriu. Todas as garotas estavam em volta dele, aparentemente ele era o sonho delas. Possuía olhos verdes, pele brancas, cabelo castanho, era alto e com um tipo físico que as garotas se derretiam ao olhar. Felipe sorriu de volta, não esperava vê-lo por ali, então disse:

Posted on 20:03 by Marcos Valença

2 comentários

50

Um Mito Moderno

A Modern Myth - 30 Seconds To Mars

            Já estava acordada há horas. Lágrimas secas, expressão vazia. Há tempos encarava a janela, aberta à paisagem cinzenta, chuvosa. O frio que lhe chicoteava a pele não tão incomodo - quase que gostava. Quase lhe causava calor, tanta a tristeza que sentia. Tanta frieza que se abatia sobre si.

Posted on 16:52 by Yuri Costa

5 comentários

E aew galera, tranquilo? Tipo, não consegui escrever um cap. de profanis, muita coisa pra fazer, então, vou postar aqui um one-shot que eu tenho salvo faz um tempinhos que eu fiz... Fiquem com o one-shot


Psicanálise
Estava um silencio melancólico naquele ambiente. Ficavam olhando um para a cara do outro. A sala já tinha certo tom melancólico. A parede era branca, a luz estava apagada, os brinquedos na prateleira e alguns jogados ao chão. A garota estava sentada na única janela que tinha ali, o que parecia loucura já que estavam no 27º andar. O homem parecia não se importar, estava sentado em uma poltrona com um puzzle de sudoku a mão e na cabeceira ao lado tinha uma garrafa de água com uns comprimidos ao lado. Ambos estavam em absoluto silencio.

Posted on 21:00 by Marcos Valença

Sem comentários

Oi galero ;) Não sei se vocês viram, mas adicionamos uma barrinha de jogos no menu principal ali do lado xD Por enquanto, temos só aquela guitarra do google, mas logo o Marcos vai postar novos. Bem, curtam o capítulo ;)


49

Ficção

Fiction - Avenged Sevenfold

            Seu aniversário já havia passado. E Nathalia passara todo o dia encarando aquela cama, sentada numa cadeira de plástico branca, arranjada às pressas, de tanto que bateu pé. Não era lá muito confortável, nada comparado à sua própria cama, mas bastava. Não era conforto o que procurava. Na verdade, não procurava nada. Queria apenas observar sua mãe, e estar ao lado dela quando acordasse.

Posted on 17:05 by Yuri Costa

7 comentários



Não há muito o que falar, só que..... Parabens Les Paul.

Posted on 21:00 by Marcos Valença

2 comentários

Capitulo 5
A canção do senhor da guerra – Legião Urbana

Marcos jogou o celular no chão, foi até a porta. Olhou para o céu, era lua nova. Irônico. Fora o que pensara assim que viu a lua. Começou a correr até a tal rua, não sabia onde era exatamente, mas sabia que era um pouco distante dali. Começou a correr, então Guilherme entrou na frente dele e o parou, então ficou o encarando e disse:
-Você realmente está pensando em ir lá?
-Claro que estou.
-Você ouviu o cara, tem faxineiros lá, ninguém quer ir de frente contra eles.
-Eu não ligo.
-Como não?! Eles matam qualquer um que sejam ordenados, poucos os que eles não matam, e só uma pessoa que eles não podem lutar e esse alguém é...
-Os superiores deles, ou, o ex-superiores.
-Pois é, eles trabalhavam diretamente para os manda chuva. Quer mesmo ir contra isso?
-Guilherme, eu nunca te falei?
-O que?
-Eu sou um ex-superior, até eu sair. Eu era um. Ah sim, eu sei que você também é um, você se tornou assim que eu sai. Realmente acha que foi coincidência?
Guilherme fica paralisado e encarando aquele momento, então fala:
-Eu não posso ser visto com você. E os outros superiores são a quem eles devem mais lealdade. Se os outros deixaram a ordem que é para matar qualquer um que não seja quem eles não queiram, eles vão matar.
-A não ser que sejam mortos primeiro. Ou...
-Ou...
-Que não enfrentemos eles.
-Como?
-Você vai ver.
Então continuaram a correr, Guilherme não conseguia ver ele como um superior. Geralmente eles eram frios e secos, nem com eles mesmos tinham amizade. Mas Marcos criou um laço de amizade com ele, mesmo que uma amizade distante era uma amizade.

Posted on 21:53 by Marcos Valença

Sem comentários

Oi galero ;) Não sei se vocês perceberam, mas esses capítulos tem todos tido títulos baseados em musicas da banda My Chemical Romance. Bem, se perceberam, vou explicar: como SILENCIAR já está no fim, eu acho que poderia ter rolado uma homenagem (mesmo que pequena como esta) à algumas bandas que me inspiram, e alusões à músicas não contam viu. Mas então, todas essas músicas vem de um único CD: The Black Parade, que é um dos melhores da banda, só perde para Danger Days. Mas enfim, esse é o último capítulo homenagem ;)



48

Desencantado

Disenchanted - My Chemical Romance

NOVEMBRO
O despertador tocou pela milésima vez.
Nathalia gemeu, em protesto, acordando finalmente de seu sono. Pressionou seu corpo contra o de Yago, e abriu um sorriso. O frio do inverno de Costa Valença os impedira de suar, tanto na noite anterior quanto nessa manhã.

Posted on 16:19 by Yuri Costa

5 comentários

Capitulo 4

Beast and the Harlot – Avenged Sevenfold

00H30M.

Guilherme já estava no portão esperando enquanto Marcos ia ao quarto de sua mãe. Levou a mão a testa dela, estava dormindo. Deu um beijo de boa noite nela. Abriu a porta da varanda e trancou por fora. Largou a chave pela varanda mesmo, quanto menos coisas carrega-se, melhor. Saiu pelo muro. Se abrisse o portão poderia acordar alguém. Viu Guilherme esperando do lado de fora, era a hora.

***

Yuri acordou e depois de se lembrar de o que tinha visto. Rapidamente olhou em direção onde estavam as garotas. Ainda estavam lá. Só que com o corpo inteiro, só estavam desmaiadas. Pensou em chama-las, mas não. Ficou olhando em volta e ouviu passos de pessoas vindo, rapidamente fingiu que ainda estava desmaiado. Deixou o olho um entreaberto, mesmo que pudesse ver pouco, via algo. Apenas um homem havia entrado ali e resmungado algumas coisas. “É ele, o filha da puta que me trouxe pra cá” – pensou Yuri. Pouco tempo depois vieram mais três. Então os ouviu falando:

Posted on 20:04 by Marcos Valença

3 comentários

47

Famosas Últimas Palavras

Famous Last Words - My Chemical Romance

            Oito meses.
            Oito meses bastaram.
            Suzana gritava. Contorcia-se na maca, e gritava mais e mais. Por vezes batera tão forte nos paramédicos que quase a deixaram cair. Por vezes, tornara impossível para seus amigos encará-la, de tanto desespero que exalava.
            Por vezes, parecera que fosse morrer.

Posted on 16:59 by Yuri Costa

6 comentários

Capitulo 3
Baader-Meinhof Blues – Legião Urbana
Estava na hora de ir para a escola, Yuri não dormira aquela noite. Ficou relembrando a noite toda aquele mesmo episodio. Como poderia? Como pode alguém fazer aqui? E o pior de tudo, como Felipe soube cura-lo com apenas um dedo? Eram perguntas que ele queria saber, mas não estava com coragem de perguntar para Felipe, lembra-se das palavras dele. “Eu vou ignorar as ordens dele, vou proteger vocês, não quero mais ninguém passando pelo que eu passei, só falei que ia te ensinar porque ele ainda estava ali por perto”. Não tirara aquelas palavras da cabeça. O que ele teria passado de tão ruim assim que não queria que ninguém passasse? Olhou para o relógio e viu a hora, já estava ficando atrasado. Não estava ligando se o olho estava fundo por não dormir a noite toda, decidira ir assim mesmo.

Posted on 19:21 by Marcos Valença

3 comentários


46

Durma

Sleep - My Chemical Romance

OUTUBRO
            A campainha tocou três vezes antes que Suzana pudesse escutá-la.
            - Deixa que eu atendo - disse Felipe, já largando o pano de prato e a louça que secava.
            - Não, não - Suzana interrompeu-o no meio do caminho, caminhando com dificuldade - Eu vou.
            - Mas Suzana... Você já tem tanto o que fazer e andar pode não ser...
            - Querido - ela interrompeu-o novamente, e pôs as mãos em seu rosto - Ainda tem mais um mês pela frente. Estou grávida, não com AIDS. Pode deixar que eu acho que posso abrir uma porta.

Posted on 16:40 by Yuri Costa

4 comentários

Capitulo 2
Olhos vermelhos – Capital Inicial

Era de madrugada, 1 hora da madrugada e Felipe estava deitado em seu lugar preferido da casa, o telhado da varanda. Dali ele podia ver o céu, desde criança é apaixonado pelo universo. Aquilo sempre o ajudava a pensar sobre as coisas, principalmente sobre a vida e escolhas que provavelmente teria que fazer. Ainda não havia esquecido aquele homem. Depois de tanto tempo, o que iria quer logo agora que estava tudo se ajeitando? Ouviu passos vindos de dentro de sua casa, rapidamente fechou os punhos, quase como se estivesse preparado para entrar em uma briga, então ouviu a voz calma e sonolenta de Yuri:
-Ainda acordado há essa hora?
Havia se esquecido, todos dormiriam em sua casa naquele dia, então relaxou os punhos e falou:
-Não consegui dormir, às vezes acontece.
-Por quanto tempo você vai fingir que não viu algo que te abalou, como aquele homem. É o mesmo daquela noite a 11 anos, não é?
Felipe por um segundo deixou transparecer a surpresa, mas rapidamente voltou a sua expressão normal e disse:

Posted on 20:32 by Marcos Valença

1 comentário



45

É Assim Que Eu Desapareço

This Is How I Disappear - My Chemical Romance

            Os bipes do cardiograma inundavam o corredor, às oito da manhã. O hospital inteiro estava vazio, de modo que o único som, além do aparelho, que se ouvia era o de passos de enfermeiras, de dez em dez minutos. A maioria dos leitos estavam vazios, de forma que arranjar um quarto para sua tia não fora tão difícil.

Posted on 16:25 by Yuri Costa

9 comentários

Fala aew galera, ta aqui a historia que eu to começando a escrever e tudo mais. Agora curtam (ou não) Profanis

Capitulo 1
All Star – Smash Mouth
Felipe estava sentado na pedra que sempre ficara. Já era de noite, seus pais estavam na praia em um lual. Seus outros três amigos, Mariana, Yuri e Laila estavam ali com ele, mas era o único acordado. Gostava de admirar as estrelas, e naquela noite, era possível ver um pequeno rastro da tão adorada Via Láctea. Mas não importava o quanto essas coisas eram lindas, a lua sempre chamou mais atenção.

Posted on 19:40 by Marcos Valença

3 comentários

Oi galera :) Vim aqui só pra avisar que, a partir de segunda, o Marcos também postará uma história que ele escreve. O nome será "Profanis", e será sobre mistério ~yuriatazanandovcsrsrs~ Mas enfim, se vocês também quiserem que uma história de sua autoria seja postada aqui no Histórias e Besteiras, basta mandar uma reply pra mim: @intothekingdom. Não precisa seguir, só mandar reply que a gente resolve xD Anyway, aqui está o capítulo 44:


44

Câncer

Cancer - My Chemical Romance

            No dia seguinte, Nathalia entrou na escola, e estava decidida: gostasse ou não, iria se desculpar. Por tudo, desde Gustavo até o dia anterior. Forçaria as malditas palavras a saírem por sua boca. Ela era a culpada. Ela quem deveria se desculpar. Mas não se importaria se ele também admitisse sua parcela de culpa.

Posted on 16:42 by Yuri Costa

5 comentários


43

hundred

The Fray

            No dia seguinte ao ataque, após acordar às três da tarde, sozinho em casa, Yago partiu para a delegacia. Com os pés enfaixados, rosto limpo, de banho tomado, fez uma denuncia que saberia ser inútil. Os cinco policiais daquela cidade não fariam nada contra uma “suspeita”, muito menos contra a denuncia de um moleque de dezesseis anos. Não importava as provas, não importava seus ferimentos. Ele era uma criança. E os adultos, sempre tão espertos, fechavam os olhos e tapavam os ouvidos para a palavra de um uma tola criança.
            Suas exatas palavras foram “Vamos ver”. E Yago sabia que era um caso perdido.

Posted on 16:32 by Yuri Costa

3 comentários

Acho que poucos sabem, mas hoje é o aniversário da @0800fuckall. Eu sou seguidor dela, e admiro muito ela, por isso fiz esse texto ~sem título~:



Eram seis da manhã. Ela enfim acordou. O despertador já tocava pela quinta ou sexta vez, e era a quinta ou sexta vez que ela tateava o criado mudo, procurando de onde vinha aquela vibração, acompanhada de sua música favorita. Não que ela não quisesse ouvi-la; sabia como era delicioso dormir ao som daquela música. Mas algo a movia; simplesmente aquela urgência inexplicável de toda manhã, a urgência de cessar qualquer som.
            Ela por fim alcançou-o, e apertou o botão na lateral direita. A música parou no meio de um grito da vocalista, e o quarto voltou ao silêncio pela derradeira vez.
            Revirou-se na cama, uma, duas, três vezes. Em sua cabeça, o tempo parecia paralisado. Não havia motivo para levantar.
            Ah, sim, era dia de semana.
            Com um gemido de protesto, levantou. Olhou-se no espelho. O cabelo curto, que descia até pouco abaixo de seus ombros e não mais que isso, estava bagunçado, como em toda manhã. Percebia também que sua barriga rangia de fome. Tentou lembrar-se do que havia jantado na noite passada, mas não conseguiu. Sequer havia jantado noite passada? Novamente, não sabia. Passou as mãos nos olhos, ainda pesados, e tentou focalizar melhor. Seu quarto, escuro, com poucos feixes de luz adentrando pelas frestas da janela fechada.
            Que dia era aquele? Abriu um sorriso. O dia de seu aniversário.
            De repente, a cama parecia lhe chamar novamente.
            Olhou para o relógio. Quase nove horas. Já era até tarde. O celular devia estar perdido em algum lugar do quarto. Não iria procurar ainda, no entanto. Abriu o armário. O que iria usar? Já passara há muito da hora da escola. Não que pretendesse assistir a aulas hoje. Seus pais estavam cientes de que estava matando aula, mas ela podia! Era seu aniversário!
            Escolheu, por fim, uma camisa do Nirvana, preta, e não teve dúvida alguma: escolheu sua calça xadrez, roxa, com um sorriso no rosto. Olhou-se no espelho, e pensou no quão retardada devia estar parecendo, sozinha, desarrumada e sorrindo tanto quanto uma mascara de teatro.
            E pensou o que sempre pensava: Foda-se.
            Abriu a porta de seu quarto, e foi cegada pela luz. O sol brilhava forte, e o desgraçado fazia questão de entrar pela janela. Piscou diversas vezes, até por fim se acostumar. Seguiu para o banheiro, e tomou um longo, demorado banho quente.
            Olhou-se no espelho embaçado. Os fios de cabelo, intercalados entre preto e mechas alaranjadas, caiam-lhe sobre a testa, e desciam seu pescoço. Pingavam água. Passou sua toalha favorita novamente pela cabeça, mas o cabelo continuaria molhado. Deu de ombros, e passou a camisa pela cabeça assim mesmo, molhando o colarinho sem decote.
            Jogou o cabelo da testa, e penteou-o para os lados. Olhou-se no espelho novamente. Era daquele tipo que as outras pessoas não entendiam. Era aquela que a maioria das garotas odiava, deixava de lado. Ela mesma se achava feia. E nem sabia o quanto era linda. O quanto era complicada e perfeitinha, e o quanto charme havia no seu jeito. O quanto sua imperfeição era perfeita, e como nenhum adjetivo fazia jus ao que realmente era. Ela não sabia de nada disso, mas nós sabemos.
            Saiu do banheiro, e seguiu para seu quarto novamente. Acendeu a luz, e ligou o computador. Tentou fazer o mínimo de barulho possível. Bateu as unhas contra a mesa, na ordem: indicador, médio, anelar, mínimo, fazendo aquela série de ruídos que tanto gostava. Quando o computador finalmente terminou de carregar, os poucos minutos que pareciam um século de tédio, abriu o navegador. Digitou na barra de pesquisa o nome de seu site favorito, e esperou carregar. Abriu já na sua home, e pegou-se sorrindo novamente.
Aqueles eram os rostos de apenas alguns de seus amigos, seus amados.
Aquelas eram suas palavras.
Eram sessenta mil pessoas, sessenta mil amigos, sessenta mil pequenos pedaços de seu coração. Era com eles que queria passar seu aniversário. Eram eles que sabiam o que se passava em sua cabeça, suas alegrias, suas tristezas. Eram eles quem a fazia sorrir toda manhã.
E cada um de nós tem orgulho em carregar Monique Débora no peito.
            Ela sorriu, e riu, feliz, ao calçar seu salto quinze.

Happy B-Day, 0800FuckAll

Posted on 14:55 by Yuri Costa

Sem comentários

Oi galera ;) Só vim avisar que o capítulo 43 só poderá ser postado daqui a três semanas, no dia 29/04, por conta que não terei tempo pra escrever, com provas bimestrais e tal. Enfim, não me odeiem. Curtam o capítulo :)




42

Confissões Profanas

Unholy Confessions - Avenged Sevenfold

            Yago entrou na própria casa, suado. Enfim, podia respirar. Mas por dentro, sentia-se morto. Destruído. Suas mãos ainda tremiam e, agora que finalmente parara, podia sentir a dor em seus pés. Lentamente, logo depois que fechou a porta, recostou-se nela, e deslizou até o chão, exatamente como havia feito mais cedo. Dessa vez, porém, a paz duraria. Não haveria ninguém entrando por sua janela. Ninguém tentando matar-lhe. Não tão cedo.

Posted on 17:29 by Yuri Costa

5 comentários